Resenha - Uma chama entre as cinzas

sexta-feira, 30 de agosto de 2019


Título:
Uma chama entre as cinzas

Autor: Sabaa Tahir
Editora: Verus
Ano: 2015
Páginas: 434
Nota: ★★★★★♥
Compre pelo link
Sinopse: Laia é uma escrava. Elias é um soldado. Nenhum dos dois é livre.No Império Marcial, a resposta para o desacato é a morte. Aqueles que não dão o próprio sangue pelo imperador arriscam perder as pessoas que amam e tudo que lhes é mais caro. É neste mundo brutal, inspirado na Roma Antiga, que Laia vive com seus avós e o irmão mais velho. Eles não desafiam o Império, pois já viram o que acontece com quem se atreve a isso. Mas, quando o irmão de Laia é preso acusado de traição, ela é forçada a tomar uma atitude. Em troca da ajuda de rebeldes que prometem resgatar seu irmão, ela vai arriscar a própria vida para agir como espiã dentro da academia militar do Império.Ali, Laia conhece Elias, o melhor soldado da academia e, secretamente, o mais relutante. O que Elias mais quer é se libertar da tirania que vem sendo treinado para aplicar. Logo ele e Laia percebem que a vida de ambos está interligada e que suas escolhas podem mudar o destino do próprio Império.Adicione ao skoob

Sabaa Tahir
Uma chama entre as cinzas - Sabaa Tahir
Um pouco mais sobre a história
     Neste livro conheceremos e acompanharemos a trajetória de Elias e Laia. 


    Elias é um Máscara, os máscaras são soldados letais que lutam e morrem pelo império e Laia é uma erudita que vive sob a opressão e crueldade do império Marcial com seus avós e seu irmão mais velho, até que em uma batida noturna seu irmão é levado acusado de traição enquanto ela consegue fugir. Tomada pela culpa de ter deixado seu irmão ser levado sem lutar ela decide pedir ajuda do grupo rebelde conhecido como A Resistência. 

     Arriscando a própria vida Laia aceita a exigência imposta pela Resistência para ajudar no resgate de seu irmão. A partir de então Laia trabalhará como escrava e espiã na casa da temida comandante da academia de soldados do império.

     Ali seus caminhos se cruzaram e logo Laia e Elias descobriram que seus caminhos estão interligados. Tudo que ela quer é salvar o seu irmão e tudo que ele quer é se libertar da tirania e injustiça do império.Porém um fato o faz desistir de desertar e tudo começa a mudar.

Resenha Uma chama entre as cinzas

Minha opinião

     Quem é fã de Jogos Vorazes irá adorar esse livro pois há acontecimentos bem parecidos, temos muita ação, amizade, lealdade, uma pitada de romance, muita crueldade e bastante fantasia, Djinis, efritis, espectros.... 

     Uma excelente fantasia, você não irá conseguir largar, te prende logo de cara.

Com uma escrita maravilhosa a leitura flui facilmente e rapidamente, terminei agora e já vou para o próximo.
Bjos até a próxima


Sobre a autora: Sabaa Tahir cresceu no deserto do Mojave na Califórnia no quarto 18 do motel da família dela. Lá, ela passava o tempo devorando romances de fantasia, invadindo o esconderijo de quadrinhos do irmão dela e tocando mal guitarra. Sabaa começou a escrever Uma Chama Entre as Cinzas enquanto trabalhava à noite como editora de jornal. Ela gosta de Indie rock barulhento, meias extravagantes e todas as coisas de nerd. Sabaa atualmente vive na área da Baía de San Francisco com sua família.

Resenha - As mil noites

domingo, 28 de julho de 2019

Título
: As mil noites
Autor: E. K. Johnston
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Páginas: 320

Nota: ★★★☆☆
Compre pelo link
Sinopse: Clássico da literatura universal, as histórias de As mil e uma noites estão no imaginário de todos — do Oriente ao Ocidente. É impossível que alguém nunca tenha ouvido falar sobre Ali Babá e seus quarenta ladrões, ou sobre Aladim e o gênio da lâmpada. Ou sobre Sherazade, a mulher sagaz e inteligente que se casou com um homem cruel, e, por mil e uma noites, driblou a morte narrando contos de amor e ódio, medo e paixão, capazes de dobrar até mesmo um rei. Em As mil noites, a história se repete, mas com algumas diferenças…
    Quando Lo-Melkhiin chega àquela aldeia após ter matado trezentas noivas, a garota sabe que o rei desejará desposar a menina mais bela: sua irmã. Desesperada para salvar a irmã da morte certa, ela faz de tudo para ser levada para o palácio em seu lugar. A corte de Lo-Melkhiin é um local perigoso e cheio de beleza: intricadas estátuas com olhos assombrados habitam os jardins e fios da mais fina seda são usados para tecer vestidos elegantes. Mas a morte está à espreita, e ela olha para tudo como se fosse a última vez. Porém, uma estranha magia parece fluir entre a garota e o rei, e noite após noite Lo-Melkhiin vai até seu quarto para ouvir suas histórias; e dia após dia, ela continua viva. Adicione ao skoob

        Encontrando  poder nas histórias que conta todas as noites, suas palavras parecem   ganhar vida própria. Coisas pequenas, a princípio: um vestido de seu lar, uma visão de sua irmã. Logo, ela sonha com uma magia muito mais terrível, poderosa o suficiente para salvar um rei...
     Como sou apaixonada por histórias que se passam no deserto não pude deixar de adquirir esse livro na época que foi lançado, mas confesso que o mesmo vinha parada todo esse tempo na minha estante, pois até agora não havia surgido a vontade de ler, mas enfim estou me forçando a ler ao menos um livro encalhado por mês e minha escolha para esse fez foi ele..
     Após ler A Fúria e Aurora eu me encantei por esse senário de desertos, lendas, magia e quando soube que esse livro se tratava de uma breve releitura do clássico As mil e uma noites fiquei muita interessada mesmo nunca tendo lido os contos dessa série (mas pretendo) sei que se se tratam de contos árabes tipo Alibaba e os quarenta ladroes, Simbad o marujo, Aladim e a lâmpada mágica, dentre outros.

Sobre a história..

     Bom, primeiramente não se trata de um romance, não pegue para ler esperando isso pois ira se decepcionar, seu foco está voltado propriamente para a lenda ali descrita. Outro fato muito interessante e que eu admitido demorei a perceber rs, é o fato de que o nome dos personagens não são mencionados em momento algum (isso mesmo, nenhum personagem tem seus nomes citados), exceto pelo rei Lo-Melkhiin e por incrível que parece isso não atrapalha nem diminuí a qualidade da leitura.
    A primícia básica é a mesma proposta em A fúria e a Aurora, onde temos um rei que ininterruptamente vêm se casando e assassinado suas esposas logo em seguida, no começo as pessoas não perceberam o padrão, mas logo todo o reino percebeu que havia algo errado, mas também perceberam que conforme os atos hediondos do rei aconteciam o reino começou a prosperar após um longo tempo de decadência. Então seus nobres conselheiros criaram uma lei afim de manter uma certa ordem quanto a escolha de suas futuras esposas traçando uma rota para que o rei Lo-Melkhiin pudesse escolher uma garota de cada alteira, distrito e assim por diante até completar o ciclo para em seguida começa-lo novamente. Um ponto importante nessa narrativa é que Lo-Melkhiin em um determinado dia saiu para uma de suas caçadas rotineiras voltou completamente diferente do que era antes onde surgiu a teoria de que o mesmo havia sido possuído por um demônio do deserto. 
'' Mas essas coisas nunca foram suficientes para mim. Eu ansiava por mais. Certo dia, no deserto, um caçador que havia se afastado de sua guarda cruzou meu caminho. E eu o tomei. Eu o tomei.''

       Ao  chegar  a  um total de 300  esposas mortas chegou o dia da escolha ser realizada na aldeia onde nossa protagonista vivia com sua família,especialmente com sua irmã adorada e considerada a mais bela de todo o acampamento, todos tinham  certeza  de  que  ela  seria  escolhida,  ao  chegar  a  notícia  de  que  a caravana do rei  se  aproximava  em  um  ato  de desespero nossa protagonista correu e pediu socorro  a  mãe  de  sua  irmã para que a vestisse e a arrumasse como se fosse ela, ao encontrar sua irmã toda produzida ela logo entendeu seu plano e não concordou, mas não havia  tempo  de  desfazer  nada  pois  o rei já havia chegado e não podiam deixa-lo esperando. Em  meio  a  fila  de  moças e mesmo ao lado de sua bela irmã ela estava tão produzida que se tornou a mais bonita e assim foi escolhida  e  partiu  para  o  castelo  com o rei e sua comitiva consciente de seu destino e com a promessa de sua irmã de que  oraria por ela tanto a  ponto  de  torna-la  uma  deusa  menor  espalhando  a  palavra de sua coragem e seu sacrifício.

     Chegando ao palácio logo a preparando para sua noite de núpcias e sua morte, mas algo inesperado aconteceu, ao rei adentrar seu quarto o rei começou a provoca-lá afim de se divertir pois nunca tinha encontrado alguém que não tivesse medo dele, ele dizia que sabia o que ela havia feito por isso a escolhera, não pela sua beleza e exigiu que ele contasse histórias sobre sua irmã, ao longo da história ele segura as mãos dela e ela podia ver uma luz saindo de suas mãos e passando para ele, mas ela logo percebeu que a luz voltada de outra cor dela para ele logo em seguida e percebeu que essa ele não podia ver De alguma forma ela sobreviveu a primeira noite e isso foi ocorrendo nos demais dias, coisas estranhas aconteciam e logo todos os serviçais começaram a ter esperanças de que dessa vez a rainha não morreria, mas ela nunca se tranquilizou, dia após dia ela esperava por sua morte, cansada desse farto começou a conversar com um certo cético do castelo a respeito do que estava acontecendo para tentar entender sua situação e mudar de vez seu destino.

'' Ela não morreu, e me perguntei se eu poderia finalmente ter encontrado uma rainha por quem eu atearia fogo no deserto.''
Minha opinião

     Gostei bastante da história, a forma como foi escrita sem citar nomes me instigou bastante pois nunca havia lido nada assim, fiquei chocada ao perceber isso quando já estava lá pela metade do livros rs. Achei muito interessante a forma como os personagens se e descreviam seus deuses, a força da fé depositada em suas crenças foi algo admirável de se ler, porém a parte decisiva antes do final não me agradou, embora eu tenha gostado do final em si, mas, o que deveria ser o ápice da história me deixou completamente desanimada Sim eu sei que o livro é uma fantasia e eu amoooo fantasias, mas ficou completamente desanimador. ( Não posso descrever para não dar spoiler) Mas se você leu acredito que saiba de qual parte estou falando.
     Então me diga o que achou no todo e inclusive dessa parte

Bjos e até a próxima
Resenha As mil noites



Sobre a autora: Emily Kate Johnston é arqueóloga forense, livreira e escritora, além de fascinada pela gramática. Já morou em quatro continentes, incluindo os verões que passou na Jordânia, onde ficou imediatamente encantada pelo deserto. A inspiração para escrever vem do seu trabalho, das viagens e da especialização em árabe e hebraico bíblicos. Emily adora contar histórias, e faz isso em diferentes mídias há mais de dez anos.